revista b / city break

City Break

Estocolmo cheira a mar

A água faz parte da vida de Estocolmo, uma cidade que se estende ao longo de uma península recortada por canais e salpicada por 14 ilhas, ligadas por 54 pontes. Elegante mas informal, a capital da Suécia convida a longos passeios e é essa a nossa proposta para dois dias na chamada “Veneza do Norte”...



48 horas na “Veneza do Norte”

Dia 1

9h às 12h

Stadsholmen

Stadsholmen, a maior ilha da Gamla Stan (cidade velha) recorda as raízes do reino da Suécia. Por ali há palácios, adegas medievais que hoje são restaurantes, livrarias e lojas. Vale a pena espreitar a Storkyrkan, uma catedral com um interior gótico-tardio, mas o palácio real (Kungliga Slottet) é obrigatório. Mais do que os 608 quartos, impressionam os trabalhos dos melhores artistas e artesãos dos séculos XVII e XVIII. Importa espreitar a Capela Real, olhar o estilo rococó do salão nobre e passar pelos museus: o Gustav III remete­‑nos para uma coleção de antiguidades e o Tre Kronor (três coroas) leva-nos ao passado da fortaleza erigida no século XII. No exterior, ao meio-dia, tem lugar a cerimónia do render da guarda.



13h

Centro da cidade

No centro da cidade, o Östermalmsallen é um templo da gastronomia. A fast food fica à porta num ambiente de iguarias que nasceu no interior de um edifício (1888) de tijolo e ferro, onde também funciona um mercado de produtos frescos.



15h às 20h

Cultura e museus

O palácio da ópera fica a dois passos e há museus como o Medelhavsmuseet, que mostra deuses e povos das culturas pré-históricas, e o Dansmuseet, onde se celebra a dança. No caminho para as ilhas de Skeppsholmen e Kastekkolmen, além das mais variadas galerias de arte, surge o Grand Hotel, que costuma receber os nomeados para os prémios Nobel. Skeppsholmen já foi uma base naval, recordada pelos navios de madeira que por ali continuam ancorados. Hoje é um centro de cultura e ar puro, um espaço verde onde florescem festivais (jazz e blues) numa ilha onde o Teater Galeasen tem uma produção avant-garde e o Museu de Arquitetura concorre com o Museu de Antiguidades do Extremo Oriente (Östasiatiska Museet, uma das melhores coleções de arte chinesa fora da Ásia).



21h

Jantar

Escolher um local para jantar depende do gosto e da bolsa. Se quer uma sugestão que seja um compromisso entre o sofisticado e o descontraído, escolha o Jakobs Torg 12 (www.operakallaren.se), que lhe garante a modernidade da cozinha (estrela Michelin) com uma incrível combinação de sabores.



23h

Noite fora

Em Estocolmo a noite pode ser tão longa quanto se quiser. Há cafés e bares por toda a parte. Não faltam propostas culturais nem locais de culto como o Nalen (www.nalen.com), que já recebeu as maiores lendas do jazz.



Dia 2

9h às 12h30

Djurgarden

Os ferries fazem parte do quotidiano de Estocolmo e para chegar a Djurgarden são a única opção. A ilha foi coutada real e é atualmente um parque nacional. Além do verde, há um espaço que recorda Astrid Lindgren, a autora que criou a Pipi das Meias Altas. O Vasamuseet mostra um veleiro de 1628, recuperado depois de 300 anos debaixo do mar. O estaleiro onde este trabalho foi realizado serviu para a criação do Aquaria, onde são recriados diversos habitats da vida marinha.



Pela tarde fora

Zonas verdes e passeios a pé

Em Skansen, num ambiente feito de verde, surge o maior museu ao ar livre do mundo, que procura mostrar como se vivia no passado. Um teleférico oferece uma vista geral onde não faltam sugestões etnológicas, arquitetónicas e até um zoo.

Nesta altura do ano os dias são curtos. Mas, se ainda tiver tempo, termine o dia em Södermalm, uma ilha-bairro que já foi ilha-prisão. As casas de madeira são magníficas e atingem a exuberância na Fjallgatan, uma rua com uma vida noturna animada. Por aí, o Carlshalls Gard é um restaurante de referência (www.carlshallsgard.se). Mas, na zona, não faltam opções para escolher o melhor local para se despedir de Estocolmo.




Fotogaleria

Entardecer em Estocolmo, a cidade das 14 ilhas e 54 pontes, que lhe valem o epíteto de Veneza do Norte Gamla Stan, a cidade velha de Estocolmo Na Gamla Stan encontra palácios, adegas medievais que hoje são restaurantes, livrarias e lojas Praça central na Gamla Stan, onde pode aproveitar para descansar numa das várias esplanadas Kungliga Slottet, o Palácio Real, em estilo barroco Um navio no Museu de Vasa, um dos mais visitados da cidade, na ilha de Djurgården, no centro de Estocolmo A cidade velha, Gamla Stan, onde o clássico se converte em moderno Vista aérea da Essingleden a auto-estrada mais congestionada da Suécia, que atravessa Estocolmo, à beira do lago Mälaren, o terceiro maior da Suécia






A sua opinião é muito importante para melhorarmos!

Procuramos melhorar cada edição que fazemos. Contamos com a sua ajuda para avaliar este artigo e a revista b. Basta apenas 1 minuto.

Quero dar a minha Opinião