revista b / fim de semana

Fim de semana

Serra da Estrela: paraíso nas alturas deslumbra no inverno e no verão

No verão ou no inverno, a montanha mais alta de Portugal continental é o cenário perfeito para relaxar na natureza



Com uma altitude máxima de 1993 metros na Torre, a serra da Estrela, um dos cenários naturais mais conhecidos do nosso país, é uma zona de rara beleza paisagística com desníveis montanhosos onde é possível sentir intensamente a altitude. Assim como aproveitar esses momentos de comunhão com a natureza para observá-la, explorando a variedade da vegetação, das aves ou observando os rebanhos de ovelhas guiados por cães da raça a que a serra deu nome.

O parque natural

Encaixado entre Celorico da Beira, Guarda, Covilhã, Seia e Gouveia, o Parque Natural da Serra da Estrela é uma área demarcada e protegida de 101 060 hectares, divididos entre o distrito de Castelo Branco e Guarda. Foi assim classificado pelo Instituto de Conservação da Natureza, em 1976, por ser rico em espécies biológicas e para evitar eventuais “ameaças” em termos de ocupação de espaço.

Este parque natural é excelente para passeios pedestres, a cavalo ou em bicicleta. Existem cerca de 375 quilómetros de trilhos marcados no terreno, com vários níveis de dificuldade, pelo que decerto haverá algum adequado às nossas condições físicas. É possível também experimentar a sensação de voar num parapente em Linhares da Beira, sobrevoando esta aldeia histórica, que também é obrigatório explorar pelo próprio pé.

Sugerimos ainda uma visita a um dos Centros de Interpretação do Parque Natural para obter informações, de modo a aproveitarmos ao máximo a estada.











Um cão só nosso

Na região é possível visitar algumas quintas de criadores certificados do cão serra da Estrela, como a Quinta de São Fernando, em Manteigas, ou o Canil Cabeço do Seixo, no Fundão. Conhecido por ser dócil com os donos, o cão serra da Estrela irradia calma e respeito, mas por vezes é agressivo com estranhos, criando grandes laços com crianças. Tiveram desde sempre a função de zelar pela segurança de pastores e rebanhos, defendendo-os de ataques de lobos ou de outros animais. São animais de grande beleza, de grande porte e de nobres sentimentos.

Em comunhão com a natureza

Entre as várias opções para apreciar este tesouro do País sugerimos um passeio pelos vales glaciares de Loriga, Manteigas, Covão do Urso e Covão Grande. Nos meses mais quentes, a melhor sugestão será decerto a Rota das 25 Lagoas que nos guia por espaços refrescantes. O turismo da serra da Estrela propõe três percursos que variam em dificuldade e distância. Existem dois percursos circulares, o das Lagoas da Torre (8 km, 3 horas) e o das Grandes Lagoas (12 km, 6 horas). O terceiro percurso, o Trilho de Viriato (7 km, 3 horas), vai das Penhas da Saúde (1500 m de altitude) à Torre.

Outra opção é percorrer o curso dos grandes rios portugueses desde as suas nascentes – o Mondego no Mondeguinho, o Zêzere no Covão da Ametade e o Alva no Vale do Rossim são locais deslumbrantes.

Delícias da serra

Um dos melhores queijos da serra é produzido em Mareco, perto de Penalva do Castelo, sendo possível encontrar esta delícia gastronómica em todos os pontos da serra da Estrela. Produto certificado nacional bem conhecido e apreciado, é um queijo de ovelha curado de fabrico artesanal, de pasta semimole, amanteigada, obtido pelo esgotamento lento da coalhada após coagulação do leite de ovelha cru, com cardo (cynara cadunculus). Produzido, essencialmente, entre novembro e março, com um período de maturação de, no mínimo, 30 dias, deve ser cortado na parte superior em forma de “tampa”, para ser barrado em pão ou tostas devido à sua textura marcadamente amanteigada.

Já em Seia é o pão que tem honras de museu e, na Covilhã, os lanifícios. As estradas mais populares para fazer a travessia levam-nos às aldeias de montanha como Sabugueiro, Alvoco da Serra ou Loriga, e a muitos outros locais imperdíveis – Penhas Douradas, Penhas da Saúde ou a Torre no topo da serra.

Não deixe de experimentar o arroz de carqueja, as lampreias e o bucho de porco do Fundão, os pratos de cabrito e borrego e os enchidos que são de “babar”.



Neve, e mais neve

A serra da Estrela é o único sítio em Portugal onde é possível praticar esqui na neve, bem como andar de trenó, de snowboard ou de moto-ski.

Localizada na Torre, a estação de esqui Serra da Estrela conta com nove pistas de dificuldade variável (balizadas) e está coberta por um manto branco durante 120 a 150 dias por ano, entre novembro e abril, graças a um processo de neve artificial. Dispõe de todas as infraestruturas para a prática de desportos de inverno, bem como serviços de aluguer de material, aulas individuais ou de grupo e vários tipos de forfait.

Além da estância, há o Skiparque, um complexo entre Sabugueiro e Manteigas, que conta com uma pista de esqui sintética de aprendizagem com uma inclinação média de 15 por cento, um half-pipe com uma inclinação média de 35 por cento e uma pista de descida de 400 metros de comprimento, com uma inclinação média de 25 por cento.

Aldeias com uma longa história

São 12 as localidades históricas de raízes medievais que fazem parte do projeto das Aldeias Históricas de Portugal. Vale a pena prolongar a estada na região da serra da Estrela para conhecer este pequenos tesouros de História, património, cultura e tradição localizados de forma mais ou menos dispersa, num raio máximo de 100 km a partir da Covilhã e ao longo da linha da fronteira com Espanha. Mais perto da Covilhã fica Belmonte, Sortelha, Piódão e Castelo Novo. A norte fica Castelo Rodrigo, Marialva, Trancoso, Almeida, Castelo Mendo e Linhares (bem perto da Guarda), e a sul, Idanha-a-Nova e Monsanto, a aldeia mais portuguesa de Portugal. O projeto permitiu impulsionar a reconstrução e a preservação destas localidades, gerando uma rede de iniciativas turísticas que as mantêm vivas.

Almeida está rodeada por muralhas em forma de estrela, Belmonte tem um dos castelos mais intocáveis, e em Castelo Rodrigo as atenções centram-se no Poço-Cisterna e no Palácio de Cristóvão Moura. Em Idanha-a-Velha, a Torre de Menagem templária é magnífica; em Marialva, a Porta do Anjo é emblemática; e em Trancoso, as Portas de El-Rei recebem os visitantes.





Não deixe de...

  • subir à Torre, o ponto mais alto da serra da Estrela;
  • esquiar nas pistas de neve, verdadeira ou sintética;
  • saborear e trazer queijo da serra;
  • comprar meias de lã ou peças de design contemporâneo em burel;
  • admirar os vales glaciares de Zêzere, Loriga e Unhais da Serra;
  • descobrir a frescura das praias fluviais durante o verão;
  • visitar o Museu do Pão em Seia;
  • voar de parapente em Linhares da Beira;
  • beber água de uma nascente;
  • seguir um longo percurso pedestre e descobrir o esplendor da natureza.

Fotogaleria

Vale do Rossim, no concelho de Gouveia, está situado a cerca de 1300 m de altitude.
Covão da Ametade, em Manteigas, está a 1420 m de altitude, no início do maior vale glaciar da Europa.
O maciço central da serra da Estrela, com 1993 m de altitude na Torre, oferece divertimento, boa comida e neve.
A aldeia histórica de Piódão tem um traçado e uma disposição típica de um povoamento de montanha.
Perca-se numa das 25 lagoas da serra.
O antigo vale glaciar, coberto com sedimentos, está por baixo do Cântaro Magro, uma formação rochosa grande (no meio da fotografia).
A 1600 m de altitude, a caminho da Torre, desde a Covilhã, um estonteante pôr do sol reflete sobre a velha fonte.
A igreja matriz de Gouveia datada do século XVII impressiona, no exterior, pela sua traça.
Mesmo em dias de nevoeiro, o parque natural surpreende os visitantes.
Rica em património, Valezim é uma aldeia do concelho de Seia inserida em pleno Parque Natural da Serra da Estrela.


A sua opinião é muito importante para melhorarmos!

Procuramos melhorar cada edição que fazemos. Contamos com a sua ajuda para avaliar este artigo e a revista b. Basta apenas 1 minuto.

Quero dar a minha Opinião