8
Ajudar a Dobrar Ajudar a Dobrar

Mundo Barclaycard

Ajudar a Dobrar

O Barclaycard está empenhado na construção de um mundo mais sustentável e mais responsável socialmente. É importante que todos os portugueses assumam o papel de agente de mudança. Os recursos naturais existentes na Terra são limitados e devem ser utilizados de forma racional. Um exemplo do que as sociedades desenvolvidas podem fazer é aumentar a reciclagem dos resíduos diminuindo assim o consumo de matérias-primas.

Atento a esta realidade, o Barclaycard lançou uma nova campanha de cariz social e ambiental.
Sob o lema recuperar, reutilizar e reciclar, a campanha “Ajudar a Dobrar” é a iniciativa que visa promover a reciclagem de papel, equipamentos eléctricos e pilhas usadas, em troca de alimentos.

Nesse sentido, o Barclaycard associou-se à campanha “Papel por Alimentos”, do Banco Alimentar. Por cada 100 kg de papel reciclado o Banco Alimentar angaria €10 para converter em alimentos e o Barclaycard entrega-lhe outros €10 adicionais.

Na área dos equipamentos eléctricos e pilhas usadas, a associação faz-se à entidade gestora de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) e resíduos de pilhas e acumuladores (RPA) Amb3E, gestora da Rede Electrão. A mecânica é a mesma, por cada 100 kg em material elétrico reciclado, a Amb3E dá €10 ao Banco Alimentar para converter em alimentos e o Barclaycard entrega outros €10 adicionais ao Banco Alimentar.

Participe e ajude a dobrar: o Ambiente e o Banco Alimentar!

banner-ajudadobrar

Porquê reciclar?

Um dos maiores problemas do mundo moderno é o lixo. Diariamente milhares de toneladas de lixo são recolhidos e cerca de 40 a 50% de tudo isso é papel, uma montanha de 80 milhões de toneladas por ano. (fonte: Naturlink)

No que diz respeito aos resíduos eléctricos são gerados por ano na União Europeia cerca de 12 milhões de toneladas, dos quais apenas 30% são devidamente recolhidos e reciclados.
A diminuição da quantidade de lixo, seria por si só motivo mais que suficiente para justificar a reciclagem dos resíduos, mas os benefícios para o meio ambiente não param por aí.

As fibras de papel recuperadas são reutilizadas no fabrico de novos produtos de papel, conferindo assim ao papel usado uma nova vida. A produção de uma tonelada de papel a partir de papel reciclado permite poupar aproximadamente 20 árvores e cerca de 50% de água e energia. As fibras de papel/cartão podem ser recicladas, em média, até 5 vezes. O que significa que estes números podem representar poupanças muito superiores.

Ao reciclarmos papel estamos a aproveitar ao máximo osrecursos naturais, preservando as florestas. E preservar as florestas é também sinónimo de diminuição da poluição, uma vez que as árvores utilizam o dióxido de carbono e produzem o oxigénio de que necessitamos para respirar. Um menor consumo de energia, têm também implicações na necessidade de construção de mais barragens para gerar energia, e consequentemente na diminuição da desflorestação.

Juntam-se ainda às vantagens da reciclagem, a diminuição dos resíduos sólidos e a consequente diminuição da ocupação do solo.

Os equipamentos eléctricos e pilhas usadas contêm substâncias perigosas, como mercúrio, cádmio, crómio, chumbo, berílio, entre outras.

Quando somos expostos a este tipo de substâncias, as consequências para a nossa saúde podem ser devastadoras.

O mercúrio é um elemento nocivo e bioacumulável que, de acordo com a OMS, provoca efeitos nefastos ao nível do sistema digestivo e rins, além de problemas neurológicos, com especial impacto nos mais jovens. O cádmio é altamente carcinogénico, afecta os rins, pulmões, fígado e ossos e interfere com as enzimas.

Sabia por exemplo que o cádmio presente na bateria de um só telemóvel pode poluir 600 mil litros de água? E que uma pilha deixada no solo contamina-o durante mais de 50 anos?
Ao reciclarmos estamos a garantir que estes resíduos são sujeitos a um tratamento rigoroso, durante o qual são removidas, em condições de segurança, todas as substâncias perigosas com impacto para a nossa saúde e ambiente.

Estamos também a permitir a recuperação de matérias-primas, cujas reservas começam a escassear. Prevê-se, por exemplo, que as reservas de Índio, fundamentais à produção de telas LCD, terminem dentro de 7 anos.

A Reciclagem confere uma circularidade à economia, que se repercute na minimização do consumo dos recursos naturais, no desenvolvimento de oportunidades de negócio e de optimização de custos, e ainda na criação de emprego.

Reciclar é hoje fundamental, para garantirmos a sustentabilidade do nosso ambiente e dos nossos recursos.

“A Campanha “Ajudar a Dobrar” promovida pelo Barclays tem em si todos os ingredientes de uma boa receita: interpela para o papel que cada um de nós pode desempenhar num mundo mais justo, solidário e onde a reutilização é privilegiada à destruição. O apelo lançado por crianças que nos confiaram o planeta onde hoje moramos obriga-nos a reflectir e ter mais atenção à forma como tratamos os resíduos que fazem parte da nossa vida diária, e ao papel que podemos desempenhar. A Campanha mostra que é fácil participar e o valor atribuído pelo Barclays potencia os resultados e os alimentos entregues a quem mais precisa. Um verdadeiro exemplo de responsabilidade social e ambiental. Parece simples, é realmente simples, mas nem todos o fazem ainda.”

Dra. Isabel Jonet, Presidente da Federação dos Bancos Alimentares contra a fome

“É missão da Amb3E e da Rede Electrão sensibilizar o público para a necessidade de reciclar os equipamentos eléctricos e pilhas usadas e para a protecção do Ambiente. É por isso, com muito agrado, que unimos esforços com o Barclaycard na campanha “Ajudar a Dobrar”, iniciativa que promove simultaneamente uma maior consciencialização para as questões ambientais e sociais.
Acreditamos que os resultados serão muito positivos e que, desta forma, poderemos contribuir para o excelente trabalho que o Banco Alimentar tem vindo a desenvolver.”

Ana Matos, Comunicação & Sensibilização Amb3E

A sua opinião é muito importante para melhorarmos!

Procuramos melhorar a cada edição que fazemos. Contamos com a sua ajuda para avaliar este artigo e a revista b. Basta apenas 1 minuto.

  Quero dar a Minha Opinião
×