revista b · City Break

City Break

O fascínio de Berlim

Berlim é uma cidade diferente de qualquer outra. Diz-se que Roma é eterna, que Paris será sempre Paris, mas Berlim nunca é igual.



Marcou a Europa com os excessos boémios dos anos 30, viveu a década de 60 ao ritmo estridente do rock and roll. Nos anos 90, já depois da reunificação, assumiu o carácter cool e o modernismo que são a sua imagem de marca no século XXI.

A abertura da Porta de Brandenburgo (importa visitar) e o desaparecimento do Check Point Charlie (memorial a não perder) criaram uma convulsão socioeconómica a Leste. As mudanças deixaram vagos edifícios e velhas fábricas. Nasceram lofts. Surgiram pop up cafés e as galerias que marcaram um estilo alternativo. Foi uma força renovadora onde se afirmaram criadores independentes, que se espalharam pela cidade, conquistando espaços como a Flagship Store (www.flagshipstore-berlin.de) ou a F95 Store (www.f95store.com), contrastando com o tradicional KaDeWe (www.kadewe.de/en), um dos maiores centros comerciais da Europa. Nasceram nomes e griffes como Michalsky, Lala Berlin, Firma ou Kaviar Gauche, que, de uma forma diferente, trilham o caminho que fez o sucesso de ícones como Karl Lagerfeld, Jil Sander, Hugo Boss e tantos alemães de outras gerações, que continuam a brilhar nos espaços fashion que salpicam a cidade.

A magia de Berlim, envolta em luz, contemplada durante a noite. O Reichtag, a casa do parlamento da Alemanha unificada. A Potsdamer Platz, onde encontrará a Daimlercity, uma cidade do século XXI. A Porta de Brandeburgo, inspirada nos propileus de Atenas, foi edificada em 1791. O East Side Gallery, o último dos fragmentos do muro de Berlim.. A mediática fronteira Checkpoint Charlie. Um dos edifícios icónicos de Berlim, o Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche. A imponência da torre central da Alexander Platz.

Voltar para conhecer

Ninguém pode aspirar conhecer Berlim num fim de semana, numa semana ou mesmo durante um mês.

A cidade não para! Há sempre coisas para ver e locais por visitar. Por isso, qualquer visitante é confrontado com opções difíceis: descobrir o fantástico Neues Museum, onde está patente o busto de Nefertiti (1385 a.C.) ou apreciar o vanguardismo da arquitetura e a coleção do Jüdisches Museum; interiorizar o simbolismo do memorial do Holocausto ou passear pela Potsdamer Platz, onde uma equipa de arquitetos internacional, liderada por Renzo Piano e Christoph Kohlbecker, planeou e desenhou a Daimlercity (uma cidade do século XXI) nos terrenos anteriormente ocupados pelo Muro.

Qualquer opção é complicada numa cidade onde é difícil resistir aos estímulos sensoriais, sejam eles a calma dos parques, um passeio pelo Sio Spree ou as omnipresentes esplanadas. Os gourmets têm dificuldade em escolher um restaurante numa oferta caleidoscópica que vai da cozinha regional de toda a Alemanha às mais sugestivas opções oriundas dos quatro cantos do mundo. Em Berlim, a noite começa à mesa. Depois, há teatro, os mais variados concertos, exposições e uma noite que se prolonga até ao dia seguinte, em discotecas tão vibrantes e variadas quanto os ritmos da música e os ambientes que cada uma propõe.




Roteiro

Todos os locais a não perder em Berlim. Aproveite a sua estadia ao máximo.