revista b · Nossa Gente

Nossa Gente

Albano Jerónimo

Albano Jerónimo está de volta à televisão, no papel de galã, no remake de Dancin' Days, mas é no teatro e no cinema que o ator se sente mais à vontade.









O Dia Mundial do Teatro comemora-se a 27 de março. Celebrando uma das mais antigas artes, cujas origens remontam à Grécia da Antiguidade, traçamos o perfil de Albano Jerónimo, um dos mais consistentes e carismáticos atores da nova vaga do teatro e do cinema em Portugal.

Natural de Alhandra, Vila Franca de Xira, Albano Jerónimo nasceu a 30 de junho de 1979 e não sonhava vir a tornar-se ator. O despertar da paixão começou no Grupo de Teatro Esteiros, de Alhandra, e acabou por concretizar-se no Conservatório; mas o ator viu-se obrigado a desistir no segundo ano de formação, quando começaram a surgir as primeiras ofertas de trabalho. Desde então, os convites foram-se multiplicando e, ao longo dos últimos dez anos, pudemos acompanhar o seu percurso na televisão (em O Teu Olhar, Queridas Feras, Fala-me de Amor, Vila Faia, Liberdade 21 ou Cidade Despida), no teatro (nas peças Romeu e Julieta, Sonho de Uma Noite de Verão, Laramie, Hamlet, O Mercador de Veneza ou Boris Yeltsin) e no cinema (em O Fascínio, Anestesia, Mistérios de Lisboa, Assim-assim, Antes de Amanhã, Florbela ou As Linhas de Wellington).

O mais sexy

Graças ao seu papel no remake de Dancin’ Days, o ator é apontado como um dos portugueses mais sexy do momento.

Depois de uma ausência de mais de quatro anos, Albano Jerónimo está de volta às novelas, no papel do galã Duarte Sousa Prado, em Dancin’ Days. No entanto, e apesar de reconhecer que sentia falta do ritmo e da adrenalina do trabalho em televisão, é no teatro e no cinema que o ator de 33 anos se sente mais confortável.

Contudo, foi o regresso à televisão, no papel de Duarte Sousa Prado, que fez com que o ator se tornasse num dos homens do momento. Albano Jerónimo faz, no entanto, questão de não ficar preso ao estereótipo de galã, procurando fazer personagens mais arriscadas e não tão associadas a essa imagem.

Fora dos ecrãs e do palco, o ator procura manter a sua vida privada bem longe da atenção do grande público, mesmo mantendo uma relação com a também atriz e encenadora Cláudia Chéu, com quem tem uma filha, em comum. A ligação entre os dois reflete-se também a nível profissional, com Albano Jerónimo a estrear-se, em 2009, como assistente de encenação na peça Poltrona. Monólogo para uma Mulher, escrita e encenada por Cláudia Chéu, e, em 2011, como protagonista na peça Glória ou Como Penélope Morreu de Tédio, também da autoria daquela.

Curiosidades

A estreia

Albano Jerónimo estreou-se como ator em 2002, com a peça A Floresta, de David Mamet, encenada por Luís Fonseca.

Família

Albano Jerónimo e Cláudia Chéu, numa relação com mais de dez anos têm uma filha, nascida em março de 2012, a Francisca.