revista b / fim de semana

Fim de semana

Guimarães, o berço de Portugal

Guimarães é uma das cidades onde História e tradição se misturam com cultura, inovação, gastronomia, diversidade, comércio e animação, tendo-se tornado, indiscutivelmente, um dos maiores centros turísticos do País, que encanta todos os que a visitam.



Além do emblemático centro histórico, classificado há 10 anos como Património da Humanidade pela UNESCO, onde se podem visitar algumas das maiores atrações históricas da cidade, Guimarães foi nomeada Capital da Cultura em 2012, tendo sido palco de cerca de 600 eventos culturais, que deram uma nova dinâmica à cidade.

Após a eleição de Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012, a cidade foi alvo de inúmeras intervenções, do restauro de edifícios históricos, passando pela construção de novos museus e teatros até à conversão de espaços industriais em centros culturais. O Centro dos Assuntos para a Arte e Arquitectura (CAAA) é um dos maiores exemplos dessa transformação. Antiga fábrica têxtil, é agora um espaço para promoção das artes visuais, design, cinema e arquitetura, entre outros campos das artes e da cultura.

Também conhecida por ser o berço da Nação, pois foi a partir daqui que D. Afonso Henriques iniciou a conquista de Portugal aos mouros, as suas ruas e monumentos respiram História,  mas também juventude e animação. O centro histórico, por exemplo, onde estão localizados museus e outras atrações, ao final do dia, transforma-se em palco de animação marcado pelo ritmo e pela dinâmica dos vários bares e cafés, por onde a população, dos 8 aos 80, convive e passeia alegremente nas carismáticas ruas da cidade. O povo de Guimarães, os vimaranenses ou conquistadores, como são muitas vezes tratados, fruto da herança histórica da conquista, souberam conciliar, da melhor forma, a história da sua terra, com o dinamismo e empreendedorismo que caracterizam as cidades modernas.

Por isso mesmo, Guimarães é hoje um marco histórico-cultural e turístico indiscutível, não só em Portugal mas também ao nível mundial. Uma visita a Guimarães convida-nos também a apreciar a gastronomia, podendo experimentar-se as suas famosas tortas, as queimadinhas ou o toucinho do céu, bem como a cozinha tradicional do Norte português, onde reinam o bacalhau, o caldo verde e os assados, entre outras iguarias. Ou a desfrutar da beleza de um cenário marcado pela paisagem natural que se cruza com os campos agrícolas.

O comércio local é outro dos pontos altos da cidade, permitindo-nos apreciar inúmeros artefactos das artes tradicionais locais como a cerâmica, a ourivesaria e os bordados.

Guimarães é uma cidade com uma oferta cultural vasta, com diversos espaços culturais que se podem visitar. O Centro Cultural Vila Flor, pioneiro na afirmação cultural da cidade, é um dos melhores exemplos de espaços reabilitados, uma vez que foi arquitetonicamente pensado em torno de um antigo palácio do século XVIII.

Os vimaranenses (...), souberam conciliar, da melhor forma, a história da sua terra, com o dinamismo e empreendedorismo que caracterizam as cidades modernas.








De visita à "cidade-berço"



1. Paços dos Duques de Bragança

Mandado construir no século XV por D. Afonso, primeiro duque de Bragança, o palácio desempenha hoje a função de residência oficial do Presidente da República Portuguesa, aquando das suas deslocações ao Norte. O edifício alberga um museu, com um espólio de várias coleções, desde o século XV ao século XIX. No acervo destacam-se os feitos dos portugueses ao longo dos tempos, como os valiosos contributos na época dos Descobrimentos e nas conquistas em África.


2. Castelo de Guimarães

Acredita-se que tenha sido construído posteriormente às lendárias Muralhas de Guimarães, onde hoje, numa das suas torres, se pode ver a inscrição “Aqui nasceu Portugal”. Carregado de história, este castelo está intimamente relacionado com a fundação da nacionalidade portuguesa. Terá servido de morada aos progenitores daquele que viria a consagrar-se como o primeiro Rei de Portugal, D. Afonso Henriques. De acordo com a história, terá sido também aqui que o próprio D. Afonso Henriques nasceu.


3. Praça de Santiago

No cerne do centro histórico da cidade, é um largo cheio de casas antigas com o seu tradicional alpendre, demonstrando um cunho medieval acentuado. Aqui surpreenda-se com a monumental Igreja de Nossa Senhora da Oliveira. À semelhança da sua vizinha Praça da Oliveira, esta praça é conhecida localmente pela concentração de bares que se estendem por largos e rua periféricas, conferindo ao lugar o rótulo de centro de encontro e convívio da população.



4. Largo do Toural

É a sala de visitas da cidade. Com as praças da Oliveira e de Santiago, forma o centro da cidade. O seu nome tem origem nas funções para que foi inicialmente construído, uma vez que terá sido feira de venda de gado. Não obstante, este é um lindíssimo local, onde as casas antigas marcam a diferença, com os seus telhados de águas furtadas, as enormes janelas que ocupam toda a fachada e as rebuscadas grades de ferro forjado, que conferem ao local uma singularidade própria.


5. Centro Cultural Vila Flor

É o principal centro cultural de Guimarães. Concluído em Setembro de 2005, nasceu da recuperação do Palácio Vila Flor e dos espaços envolventes, numa obra do Gabinete Pitágoras. O novo edifício é composto por dois auditórios, albergando ainda um restaurante, um café-concerto e serviços administrativos.

6. Museu de Alberto Sampaio

Criado em 1928, possui um acervo riquíssimo, constituído principalmente por peças dos séculos XIV, XV e XVI, onde sobressai o laudel de D. João I. Durante o Verão está aberto à noite.


7. Rua de Santa Maria

De origem medieval, foi durante muitos séculos a mais importante rua de Guimarães, onde morava parte da elite vimaranense. Em pleno centro histórico da cidade, é uma rua de enorme valor histórico, que começa no Largo do Carmo, passa pela Igreja do Carmo, presenteia-nos com o seu chafariz central e que se abre à bonita Praça de Santiago.





Fotogaleria

Igreja Nª Sª Consolação e Santos Passos.
As origens remontam a uma pequena ermida, dedicada a Nª Sª da Consolação, erguida em 1576. Dois séculos depois foi construída a nova igreja, rematada por duas torres em meados do séc. XIX.
Paço dos Duques de Bragança.
O Paço dos Duques foi erguido no século XV, por iniciativa de Dom Afonso I de Bragança. No seu interior esta hoje instalado um museu com uma interessante coleção dos séculos XVII e XVIII.
Castelo de Guimarães.
Monumento nacional, é o local onde nasceu e viveu o primeiro rei de Portugal, Dom Afonso Henriques.
Rua de Santa Maria.
Ladeada por casas de origem medieval, é uma das ruas mais antigas da cidade.
Capela de São Miguel.
Do início do século XII, em estilo românico é, segundo reza a tradição, o local de batismo de Dom Afonso Henriques.
Convento de Sto. António dos Capuchos.
Foi construído no século XVII, para albergar os frades capuchos. No século XIX sofreu obras de reconstrução e foi transformado em hospital. Do edifício original subsiste a igreja primitiva, a sacristia e o claustro.
Citânia de Bitreiros.
A cerca de 15 quilómetros do centro da cidade, as ruínas da Citânia de Briteiros relevam a existência de um importante povoado primitivo, de origem pré-romana.
Avalie este artigo e a revista b em A sua opinião.