revista b / fim de semana

Fim de semana

Coimbra, mais do que tradição

A capital das capas negras e dos poetas tem a Universidade, fados e guitarradas e muito mais para oferecer. Siga as propostas para conhecer a Coimbra da tradição e levante o véu de uma cidade, banhada pelo Mondego, cheia de atividade e encanto.



Classificada como Património da Humanidade, Coimbra tem uma ligação muito forte ao conhecimento e às tradições estudantis.

Quem passeia pelas ruas estreitas da cidade, e descobre pátios, escadinhas e arcos medievais, polvilhados aqui e ali por estudantes que circulam com as suas capas negras, sente o valor de uma tradição que está ligada à Universidade, a primeira de Portugal (criada em 1290) e uma das mais antigas da Europa. É tão emblemática que existe um serviço de visitas guiadas ao Paço das Escolas e à majestosa Biblioteca Joanina (século XVIII), mediante marcação prévia (Tel. 239 242 745/8/4; infotur@uc.pt; reservas@uc.pt).

E porque se trata do símbolo de séculos de cultura e tradição, a Universidade é um excelente ponto de partida para se descobrir a cidade.

É em torno da Universidade que se situam o Jardim Botânico, a Sé Nova, do século XVI, e o famoso Museu Nacional de Machado de Castro. No bar àCapella, instalado na Capela de Nossa Sr.ª da Vitória, do século XIV, ouve-se um fado renovado, mas que não perdeu as raízes.

Descendo a longa escadaria do Quebra­‑Costas desembocamos na Baixa do comércio, do artesanato e dos bairros populares. Aqui, as ruas animadas pelas capas negras, que se continuam a ver aqui e ali, estão repletas de restaurantes típicos e bares, lojas de todo o género e muitos cafés. A Sé Velha, a Câmara Municipal e as muito antigas igrejas de Santiago e de Santa Cruz, são algumas das principais atrações desta zona.

Para descansar um pouco e desfrutar do que viu até aqui, nada melhor do que ir até ao Parque Verde do Mondego/Dr. Manuel Braga, onde de vez em quando decorrem eventos como a feira cultural, que serve de montra de artesanato, livros, artes plásticas e performativas, com muita animação e espetáculos (cm-coimbra.pt), de maio até ao início de junho.

Coimbra é também uma cidade com uma poesia e uma sonoridade únicas. O fado de Coimbra, ou a canção de Coimbra como também é conhecido, é a sua forma especial de cantar, um canto de rua, mais lírico do que o de Lisboa. Há muitas casas para ouvir esta canção, como O Fado ao Centro, situada na famosa Rua do Quebra­‑Costas (descubra porque é chamada assim), uma ladeira íngreme que liga o Arco de Almedina, na Baixa, à zona Alta da cidade, onde estão as faculdades mais antigas, e atravessa de permeio o largo da imponente Sé Velha.

Quem visita Coimbra não lhe fica indiferente. Como diz o fado, “Coimbra é uma lição de sonho e tradição, o lente é uma canção, a Lua a faculdade” e “tem mais encanto” na hora da despedida” porque se “aprende a dizer saudade”.











Ouvir o Fado à moda de Coimbra




“A Queima”, o evento emblemático

As tradições estudantis encontram o seu ponto alto, em maio, na Queima das Fitas, quando a irreverência e o colorido da juventude invadem a cidade. É a maior festa estudantil do País e prolonga-se por nove dias, tantos quanto o número de faculdades que integram a Universidade de Coimbra. Trata-se de um evento que visa marcar o derradeiro trajeto de vivência coimbrã dos alunos finalistas da Universidade. A semana da queima das fitas tem início com a Serenata Monumental nas escadas da Sé Velha e inclui também o Baile de Gala das Faculdades, a Garraiada, a Venda da Pasta, a Queima do “grelo” (que deu nome à festa), e o Cortejo dos Quartanistas, além das famosas Noites do Parque, com um cartaz de concertos.


Outros eventos a não perder

1 Encontros Internacionais de Jazz em Coimbra. O JACC – Jazz ao Centro Clube, associação cultural sem fins lucrativos desde 2003, ano em que Coimbra foi Capital Nacional da Cultura, organiza um festival internacional de jazz entre outras ações culturais (jazzaocentro.pt).

2 No Largo da Sé Velha acontece a Feira Medieval de Coimbra (7 junho).

3 Nos claustros da Sé Velha vai decorrer uma Ceia Medieval a 6 de junho.

4 Na Praça do Comércio decorre a Feira de Artesanato Urbano, a 14 de junho, e a Feira de Exposição e Mostra de Velharias de Coimbra, a 28 de junho.

5 Até 5 de junho realiza-se o Ciclo de Cinema “20 anos de Cinema Português” no miniauditório Salgado Zenha (edifício AAC).







Coimbra é ativa e há castelos para descobrir

Porque há mesmo muito mais para descobrir e para fazer nesta cidade do que estudar e fazer serenatas.

Turismo ativo

A costa atlântica, de Mira à Figueira da Foz, desdobra-se em possibilidades de desportos ligados ao mar. No rio Mondego, e seus afluentes, é possível praticar atividades como a canoagem ou remo, todo o ano. Percorra a serra de Sicó e a da Lousã, as aldeias do xisto. Divirta-se com geocaching, sinta as emoções do BTT, pratique arvorismo, rappel, slide ou paintball. Neste território, as sugestões de desporto­‑aventura são inúmeras. As empresas de animação dispõem de um leque de ofertas à sua medida. Escale até ao alto de montanhas, descubra os mistérios do subsolo em grutas que, segundo a lenda, foram refúgio de mouras encantadas.

No que toca à aventura, a imaginação não tem limites.

Rede dos Castelos do Mondego

A Rede dos Castelos e Muralhas do Mondego procura dignificar o que foi a Linha Defensiva do Mondego e criar um produto turístico exclusivo a partir do património histórico e cultural. Os Castelos de Coimbra, da Lousã, de Miranda do Corvo, de Montemor-o-Velho, de Penela, de Soure, a Atalaia de Buarcos e o vizinho Castelo de Pombal integravam a Linha Defensiva do Mondego. Esta linha, na fronteira entre dois mundos, o cristão e o muçulmano, foi responsável por momentos marcantes da História de Portugal. Palco de conflitos armados, de instabilidades e perigos, mas também de convivências, permeabilidades e amores, tem muitas histórias para contar. Empreenda uma viajem desafiante. Mergulhe na História e parta à reconquista destes castelos. Lembre­‑se que toda a região do Baixo Mondego, da serra da Lousã e da do Açor, é rica em património histórico e natural. As aldeias do xisto, a Mata Nacional do Buçaco, a praia da Figueira da Foz e o cabo Mondego são alguns lugares muito próximos de Coimbra e que podem ser explorados.


Outros locais a visitar


Onde degustar




Fotogaleria

Pátio da Universidade, com a escadaria que dá acesso à famosa Sala dos Capelos. Antiga Universidade, com a sua torre e o sino, conhecido como "A Cabra". Vista geral de Coimbra, a partir do Choupal. Escadas Minerva. Junto à universidade, esta escadaria deve o seu nome à estátua que se encontra no topo do pórtico. Lojas de cerâmica e azulejos, num dos pátios de Coimbra. Jardim da Manga, com as suas quatro pequenas capelas. Hotel Vila Galé. Sala de jantar. Conímbriga. As ruínas romanas, um dos ex-líbris da região. Conímbriga. A Casa das Fontes, uma das mais bem conservadas ruínas romanas, com os seus "tapetes" de mosaicos. Buçaco. O Parque Nacional do Buçaco que contém uma luxuriante paisagem natural.
Avalie este artigo e a revista b em A sua opinião.